NOSSA MISSÃO

A Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Palmeira das Missões Ministério de Madureira, tem a missão de fazer a diferença no Reino de Deus em Palmeira das Missões, no Rio Grande do Sul, no Brasil e em outros países do mundo. Pois Nossos objetivos nos levam a sermos uma igreja alicerçada na Palavra de Deus, primando pela salvação das almas, levando o evangelho a toda a criatura, fazendo sempre a vontade de Deus, reconhecendo que o Senhor Jesus Cristo é o Senhor e Salvador de todos nós, para que os homens sejam servos, obedientes e bons dispenseiros da multiforme graça do Senhor. Ministério de Madureira uma igreja feliz! Ministério Anunciação Profética-http://prjoaoamilton.blogspot.com - Contatos: 55.9998.3905, 55.84278599 e 55.9915.8554.

IEADEMMAD

IEADEMMAD
IEADEMMAD

CONAMAD - CONEMAD/RS - CAMPO DE PALMEIRA DAS MISSÕES - MINISTÉRIO DE MADUREIRA

CONAMAD - CONEMAD/RS - CAMPO DE PALMEIRA DAS MISSÕES - MINISTÉRIO DE MADUREIRA
NAÇÃO MADUREIRA - MINISTÉRIO DE MADUREIRA - UMA IGREJA FELIZ!

sexta-feira, 23 de julho de 2010

TEOLOGIA BÍBLICA DO NOVO TESTAMENTO

ÍNDICE

INTRODUÇÃO - O ÁPICE DA TEOLOGIA

A TEOLOGIA DE MATEUS
1 - Jesus Cristo, Senhor da Igreja
- Messias de Israel
- O Israel Realizado
- O Mestre Traz o Reino dos Céus
- O Advento do Filho do Homem

2 - A Igreja do Senhor Jesus
- O Espírito da Comunidade
- O Serviço Missionário

A TEOLOGIA DE MARCOS
- Perspectiva Doutrinal
- Jesus, O Filho de Deus
- Jesus, o Filho do Homem

A TEOLOGIA DE LUCAS
- A Vida de Fé

A TEOLOGIA DE JOÃO
- Mudanças de Perspectiva
- Escatologia
- A Cristologia

CONCLUSÃO

BIBLIOGRAFIA

INTRODUÇÃO

ÁPICE DA TEOLOGIA
“Havendo Deus outrora falado muitas vezes e de muitas maneiras aos pais pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho”. (Hb.1:1).

O Velho Testamento apresenta uma revelação progressiva de Deus na medida que seu povo ia andando com ele, ou mesmo quando deixava seu caminho. Em todas as situações da história de Israel, Deus veio se revelando paulatinamente. Nesse percurso, vários nomes foram usados para Deus. Cada um representava o nível de revelação alcançado. Tais experiências vinham ocorrendo juntamente com a preparação de uma linhagem especial. Deus chamou Abraão e dele formou um povo inumerável. Dentre esse povo foi separada uma tribo : Judá. Nessa tribo foi escolhida uma família : a casa de Jessé. Desse tronco veio o ápice da revelação de Deus na história da humanidade. Da raiz de Jessé veio Jesus, o Verbo Eterno de Deus. Jesus Cristo é o ponto máximo da manifestação de Deus aos homens.

No passado, o conhecimento divino se dava através de visões, mensagens, sonhos, etc. No Novo Testamento, Deus vem em pessoa humana, em carne e osso, para que o homem o conhecesse como nunca antes. Jesus é o resplendor da glória do Pai e a expressa imagem da sua pessoa (Hb.1:3). Muitos não tiveram o privilégio de estar ao lado de Jesus durante sua vida terrena. Para esses, entre os quais estamos nós, Deus providenciou que a vida, a obra e a mensagem de Jesus fosse registrada, afim de que, por meio de tais registros viéssemos a crer nele e conhecê-lo experimentalmente. Tais escritos são os Evangelhos. Neles temos o glorioso testemunho daqueles que viram e tocaram na Palavra da Vida (I Jo.1:1).

Nesse estudo, procuraremos focalizar, de modo sucinto, a teologia dos quatro evangelhos. Nos dedicaremos a extrair a visão teológica de cada um de seus escritores, de maneira que possamos aprender um pouco mais sobre a luz que a encarnação do Verbo lançou sobre a teologia bíblica.

A TEOLOGIA DE MATEUS
O primeiro evangelho desenvolve uma teologia da história: Deus faz história com o homem de maneira única e decisiva em Jesus, Cristo e Filho de Deus. Ao cumprir a Aliança por total submissão à vontade de seu Pai, Jesus abre o futuro da Igreja e do mundo à realização das antigas promessas; transforma o presente dos homens em esperança para sempre.

Mateus apresenta, intimamente ligados, o itinerário terreno de Jesus revelando-se pouco a pouco às multidões enquanto formava seus discípulos, e a construção progressiva de sua Igreja, comprovação para o mundo da presença do Reino dos Céus.

1 - JESUS CRISTO, SENHOR DA IGREJA
O Ressuscitado anima a sua comunidade com sua presença e atuação. Dela é efetivamente, o “Senhor”, realizando a primeira profecia consignada no evangelho... “e o chamarão com o nome de Emanuel, o que traduzido significa : Deus está conosco” (1:23).

MESSIAS DE ISRAEL
Jesus é o Messias esperado por Israel e anunciado pelas Escrituras. Mateus o afirma claramente diante do particularismo judaico exacerbado após a queda de Jerusalém. Desde o primeiro capítulo (1:1,16,18 16:20 27;17), Jesus é chamado “Cristo”, quer dizer, “ungido” de Deus. Sua genealogia estabelece sua filiação de Davi e de Abraão. Por se o Messias em quem confirma a longa história das benevolências divinas, compete-lhe a última palavra; ele é o Salvador que Moisés prefigurava.

O evangelho da infância explicita, com o auxílio dos profetas, a maneira como Jesus realiza as esperanças judaicas; Mateus atribui-lhe os títulos messiânicos tradicionais. Segundo o anúncio profético, ele nasce em Belém, cidade real; é verdadeiramente “Filho de Davi” (9:27 12:23 15:22 20:30-31). Mas Mateus rejeita o conceito de um Messias nacionalista que seus contemporâneos criaram. A fim de corrigi-lo, apela para a figura do “Servo” de Deus (8:17 12:18-23), extraídas de Isaías (Is.42:1-4); ele é rei (21:5 2:2 27:11,39,42). De toda maneira, são as Escrituras que, incessantemente, autenticam sua identidade.

O ISRAEL REALIZADO
Ao ressaltar a realização em Jesus das expectativas messiânicas alimentadas pelo povo eleito, Mateus determina dois tempos da comunidade da salvação: o Israel realizado e o Israel irrealizado. Através do evangelho cresce, de um lado, uma tensão entre aqueles que procuram Jesus e prendem-se a ele - multidão e discípulos - e de outro, os “escribas e fariseus”, intérpretes titulares das Escrituras que, através dos “sumos sacerdotes e anciãos”, representantes oficiais do povo , são notórios adversários de Jesus. Este denuncia sua hipocrisia, não para rejeitá-los mas para fazê-los compreender sua recusa da realização que os pagãos vão acolher.

A inversão aparece tanto no início como no termo do evangelho: magos, astrólogos idólatras, descobrem o Rei dos Judeus (2:2), enquanto o rei Herodes quer matá-lo (2:16); o pagão Pilatos tenta agraciar Jesus (27:21-24), enquanto o povo da aliança recusa reconhecê-lo não sem chamar sobre si seu sangue redentor (27:25). Assim se consuma na Paixão o que a infância anunciava. A parábola dos vinhateiros homicidas o indica com clareza: tomando sobre si a sorte dos profetas (21:39 23:34-36), Jesus, Filho de Deus, assume o pecado de Israel infiel à Aliança. Salva-o, ao mesmo tempo, pois se denuncia sua caducidade como povo particular, abre-o à universidade eclesial. A afirmação de Jesus: “O Reino de Deus vos será tirado e confiado a um povo que produza seus frutos” (21:43) anuncia a entrada na Igreja dos pagãos que acatam a gratuidade da salvação. Ao mesmo tempo, Jesus julga o Israel perseguidor (10:22-23 22:7 23:35) com carinho e faz-lhe ver sua recusa e a esperança de uma conversão (23:37-39).

A instituição eucarística, da qual Jesus faz sinal de seu sofrimento e sua morte, dá à aliança sua forma definitiva e seu significado decisivo em “o sangue do inocente”(27:4) “derramado por muitos para o perdão dos pecados”(26:28). A paixão de Jesus justifica a existência do Israel realizado, da qual a comunidade de Mateus faz parte. O centurião e os soldados do Calvário lhe são as primícias: no meio da assembléia dos santos ressuscitados, ele confessam a divindade de Jesus, cuja morte aparece, em Mateus, como uma “teofania”, uma aparição de deus (27:51-54). O Messias de Israel torna-se assim a esperança das nações (12:21), realizando “a Galiléia das nações”(4:15); é da Galiléia, com efeito, que os discípulos partem, no final do evangelho (28:16-20), para a missão universal.

O MESTRE TRAZ O REINO DOS CÉUS
Como autêntico Messias, cumprindo a expectativa de Israel, Jesus traz a todos os homens “o Reino dos Céus”. Este último aparece como força de cura e proclamação de uma mensagem de felicidade (4:23 9:35). Os “milagres”, ou antes, os “gestos de poder” de Jesus apresentam-se como sinais de sua missão (9:33 11:2,6 19:15,31). Ele próprio age como Servo obediente que executa a vontade salvadora de Deus, encarregando-se das enfermidade e das fraquezas dos homens (8:17). Ele usa de doçura e de piedade, atento em aliviar os seres sofredores e desprezados, e , mais ainda, em perdoar os pecados (1:21 9:2).

O ADVENTO DO FILHO DO HOMEM
Com Jesus, o Reino dos Céus aproximou-se do homem (3:2 4:17). Esse Reino cresce como uma semente (13:4-9) que abre caminho através do joio (13:24-30) e torna-se árvore frondosa. O termo deste crescimento é a “parusia” do filho do Homem (24:3,27,37,39), feliz entrada na história humana da misteriosa personagem de Daniel 7:13, tornada carne em Jesus, o Rei-pastor, juiz e salvador das nações (25:31-46). Inaugura, então, o Reino definitivo de Deus: através de sua morte e ressurreição, Jesus dá início aos últimos tempos (24:42,44). Daí em diante, a cada momento, no terreno da história onde a vigilância dos homens deve desenvolver-se, o Filho do Homem vem em seu Reino. No fim do mundo, o Reino do filho se identificará com o do Pai (13:41-43).

Para Mateus, o Filho do Homem é realmente o Filho do Deus Vivo. Antes de tudo, ele evoca a concepção virginal do Cristo (1:16,20), operada pelo Espírito santo; depois, a sua entronização messiânica no batismo, quando a voz do pai proclama a todos: “Este é o meu Filho Amado”(3:17). O hino de júbilo e louvor (11:25-27) realça a consciência que Jesus tem de sua filiação divina; esse aparece nas relações com seu Pai e na discussão sobre a identidade do Messias, Filho de Davi (22:41-45).

2 - A IGREJA DO SENHOR JESUS
Os cinco grandes discursos de Jesus desenham o perfil da vida em Igreja. Essa encontra-se reunida (10:1), instituída (16:18) e enviada (28:19-20) por Cristo. Por sua inserção no quadro da atividade histórica de Jesus, os discursos provam que é ele a regra viva e única do comportamento dos discípulos.

O ESPÍRITO DA COMUNIDADE
Os cristãos devem ser pessoas felizes, convidados a descobrir, no fundo das situações exteriormente menos favorecidas, uma plenitude nova: aquela que Jesus Cristo vive e da qual dá-lhes compartilhar. Essa é a mensagem primordial, a das “bem-aventuranças” (5:3-10); nela devemos ver um apelo para ir avante em vez de um conselho à resignação. A promessa feita em cada uma das bem-aventuranças diz respeito ao Reino de Deus, já presente pela vinda de Jesus (5:3,10), mas continuamente por receber, como realização definitiva (5:4-9).

A “justiça” reclamada por Jesus (5:20,47) radicaliza as atitudes ordenadas pelo Lei e instaura novas relações fraternas no seio da comunidade. Exortando seus discípulos a promover o acolhimento mútuo e a reconciliação, a fidelidade conjugal e o respeito ao lar alheio, a verdade no diálogo, a benevolência humilde e generosa diante dos aproveitadores e mal-intencionados, e sobretudo o amor aos inimigos, Jesus parece prescrever-lhes uma perfeição impossível; convida-os a imitar a própria perfeição do Pai celeste. Com efeito, o essencial desses preceitos repousa na pessoa de Jesus e na revelação que ele faz de Deus; o agir de seu Pai, que se torna nosso Pai, é apresentado como modelo da ação do discípulo. Mister se faz, então, que a própria força de Deus permita-lhe realizar este impossível, sem diminuir-lhe a responsabilidade da conduta, pela qual será finalmente reconhecido (12:23) e julgado (7:23 25:40,45).

O SERVIÇO MISSIONÁRIO
A comunidade reunida por Jesus é automaticamente missionária, pois a missão nada mais é do que a participação do discípulo na ação do Mestre (10:24-25). As condições do testemunho prestado pelos enviados juntam-se à mensagem das bem-aventuranças: como seu Mestre, o discípulo terá de sofrer, mas o espírito de Jesus é prometido ao perseguido (10:20 12:28); o enviado é mensageiro da paz, mas nem sempre bem acolhido, e sua vinda será, por vezes, sinal de contradição. As lutas que, em nome de Cristo, colocam os irmãos em oposição (10:35-36), anunciam uma paz superior que nasce dolorosamente através da longa história do choque das liberdades humanas (24:8).

A TEOLOGIA DE MARCOS
É interessante observarmos que Marcos sustenta um tipo de “economia da revelação”. A confissão de Pedro marca-lhe a vertente. Antes dela, Jesus ao mesmo tempo se revela como Messias e exige ciosamente o segredo desse fato (1:34,44 3:12 5:43 7:36 8:26), revelação e segredo que atingem seu ponto culminante na confissão de Pedro (8:29-30). Por outro lado, os discípulos nada entendem do mistério de Jesus (4:41 6:51 8:16-21).

Depois da confissão messiânica, os discípulos continuam a mostrar a fraqueza de sua fé (9:18), mas o tema de sua ininteligência se concentra daí em diante na sorte de Jesus, e não mais apenas em sua missão (8:32). Se a menção do filho do homem já foi feita em 2;10,28, tratava-se então de seu papel terrestre. Enfim nenhum segredo é exigido do cego de Jericó que proclama em Jesus o Filho de Davi (10:46-52). Em contraprova, a intenção de Marcos poderia se confrontada com a de Mateus. Este antecipa a liberdade de proclamação em Mt.9:27 12:23 1:22 14:33. Segundo Mateus, Jesus assume antes da confissão de Pedro seu papel escatológico.

Marcos parece, portanto, ter querido distinguir na revelação do evangelho dois períodos: o mistério do Messias e o do Filho do homem - sendo que o segundo aprofunda o primeiro.

Examinando-se os pormenores, é claro que muitos matizes podem ser apresentados e uma dúvida razoável subsistirá sobre a intenção última de Marcos. Por exemplo, pode-se perguntar se os milagres da mulher sírio-fenícia e do surdo-mudo (7:24-37) devam ser vinculados à primeira ou à segunda multiplicação dos pães; se a confissão de Pedro (8:27-30) é somente conclusão da primeira parte ou introdução à segunda; se a discussão sobre a autoridade de Jesus (11:27-33) deve ser unida às três controvérsias que seguem. Ao contrário, parece mais seguro afirmar que os três anúncios da Páscoa anunciam teologicamente o início da segunda parte; isto explicaria como os matizes topográficos (9:30,33 10:1) tenham sido absorvidos na apresentação catequética da passagem. Quando muito, pode-se ver na “subida a Jerusalém”(10:32) o suporte topográfico que, em Lucas tomará valor teológico.

PERSPECTIVA DOUTRINAL
A moda crítica falou outrora do “paulinismo doutrinal de Marcos”. Loisy, por exemplo, via no segundo evangelho uma “interpretação paulina... da tradição primitiva”. Mas, pouco depois, A. Schweitzer e M. Werner mostravam que não se podia reconhecer em Marcos o vestígio de uma influência doutrinal de Paulo. As idéias paulinas características estão ausentes, somente os temas do Cristianismo primitivo aparecem.

O vocabulário sugere, quando muito, que Marcos viveu num meio paulino e talvez tenha conhecido I Tessalonicenses e Romanos. Mas o vocabulário da justiça, da prova, da salvação aí não se encontra. Por outro lado, ao contrário, o final canônico posterior de Marcos 16:9-20 apresenta numerosos contatos com as cartas paulinas.

JESUS, O FILHO DE DEUS
O título do livro fixa a intenção de Marcos : “Começo do evangelho de Jesus Cristo, o Filho de Deus”. Eis como Jesus mostra que é o Filho de Deus. alguns manuscritos não trazem estas últimas palavras, mas sólidas razões de crítica textual autorizam a sua retenção.

Contrariamente a Mateus, que semeia com abundância o epíteto de Filho de Deus, Marcos reserva seus efeitos, porque se trata provavelmente para ele do título teológico. Além da confissão do Filho de Deus pelos demônios num relato (5:7) e um sumário (3:11) , a expressão se encontra nos pontos culminantes do evangelho : pela voz de Deus no batismo (1:11) e na transfiguração (9:7), enfim na boca do centurião que , em nome dos pagãos, proclama a eficácia da morte de Jesus: “Verdadeiramente este homem era o Filho de Deus” (15:39). O segundo evangelho quer, portanto, revelar aos pagãos a boa nova: Jesus Cristo é o Filho de Deus, no sentido próprio e não somente no sentido messiânico.

Esta sobriedade na apelação de Filho de Deus se reflete no uso dos outros títulos. Habitualmente, trata-se de Jesus (81 vezes), nunca de Cristo Jesus, e de Jesus Cristo comente em 1:1 e 16:19. O termo Cristo não se encontra nunca na boca de Jesus e deve permanecer sigiloso (8:29). Os títulos de Filho de Davi (10:47 e 12:35), de Profeta (6:15 8:28), de Senhor (11:3 7:28) são excepcionais.

Correntemente, Jesus é chamado de Mestre, mas o título que Jesus reivindica é o de Filho do Homem, e isto nos introduz mais adentro na mensagem característica do segundo evangelho.

JESUS, O FILHO DO HOMEM
O evangelho é um “apocalipse”, porque a vinda do Senhor é um mistério. Mateus o apresenta sob o aspecto do Reino dos Céus; Marcos o concentra sobre a figura de Jesus, que é o Reino em pessoa. tudo converge em Marcos para o mistério do Filho do Homem.

Segundo a primeira interpretação, tomada, por exemplo, por Lagrange, Filho do Homem não seria um título messiânico corrente; a passagem das Parábolas de Henoc que fala disto seria uma interpolação cristã. A expressão deveria ser relacionada à tradição de Ezequiel. Ela equivaleria a “o homem que sou, para atrair a atenção sobre sua pessoa, sem tomar abertamente, e por assim dizer, oficialmente, o título de Messias”. Somente o contexto evidente de glória em 13:26 e 14:62 estabeleceria uma ligação coma profecia de Daniel.

A TEOLOGIA DE LUCAS
Na literatura do Novo Testamento, por muitas razões, a obra de Lucas é original.
Enquanto Mateus, Marcos e João se concentram, aparentemente, apenas na vida de Jesus, Lucas divide seu trabalho em dois volumes, o evangelho e os Atos; distingue, assim, com maior clareza, o tempo de Jesus e os primórdios da Igreja.

Desde a primeira frase, Marcos tem o “evangelho” como referência de seu projeto literário. Mais modestamente, Lucas declara fazer um “relato” de tudo o que se passou.

Lucas é o mais grego dos autores do Novo Testamento. Maneja com certa elegância a língua comum falada então; preocupa-se em ser compreendido pelos ouvintes poucos afeitos às tradições judaicas; o leitos ocidental moderno sente-se logo a vontade em sua companhia.

A delicadeza de Lucas foi sempre realçada. Poetas como Dante apresentaram-no como o evangelista da “mansuetude de Cristo”; pintores, como Rembrandt nele encontraram fecunda fontes de inspiração. Relatos como o do filho pródigo ou dos discípulos de Emaús ficaram bem retidos na memória dos cristãos, e todos os movimentos do despertar religioso ao longo dos tempos, a começar pelas ordens religiosas procuraram um modelo na descrição da primeira comunidade em Jerusalém.

A VIDA DE FÉ
De Lucas 9:51 a 13:21, caso façamos uma subdivisão neste ponto, o evangelista orienta a atenção dos leitores para a vida de fé: que significa tornar-se discípulo? Que conduta adotar para permanecer neste estado ? Alguns temas fundamentais da fé e da ética lucanas aparecem: a pertença a Deus e a seu Cristo como uma atitude de ruptura (abandono da família , de seus bens, de seus privilégios sociais etc.); uma vida de crença marcada pela oração e pela confissão de fé; a obediência que contrasta com a dos fariseus; esta obediência é caracterizada pela confiança unicamente em Deus e pela vigilância. Não se trata de vidas mais ou menos morais, mas da vitória de Satanás ou de Deus (10:18), de vidas prisioneiras do Diabo (13:16) ou submissas a Deus, um Deus que não é o justiceiro, mas o Deus atento cuja benevolência foi revelada aos humildes. Existe, pois, um contraste, uma oposição, entre aqueles que aceitam a mensagem e os que a rejeitam: “Pensais que vim estabelecer a paz sobre a terra? Não, eu vos digo, mas uma divisão”(Lc.12:51). Jesus é o sinal eficaz do amor de Deus. Para representar o Pai, Lucas coloca o Filho em cena. Os discípulos e os fariseus representam os crentes e os incrédulos.

Mas, para que esta manifestação do Reino chegue aos homens, urge haver intermediários : Jesus, primeiro, os Doze a seguir, depois os Setenta e dois cujo apelo e missão abrem esta parte do Evangelho (Lc.10:1-11). É significativo que Lucas conceda um lugar privilegiado a essa missão: o discurso de envio que a Coleção de Logia associava ao mandato dos Doze, é por Lucas ligado à expedição dos Setenta e dois. A missão dos doze prefigura a evangelização de Israel, enquanto a dos setenta e dois antecipa a vocação universal dos gentios, bem encaminhada no tempo do evangelista. Se ele dá uma atenção discreta à primeira, atribui uma importância decisiva à segunda.

A TEOLOGIA DE JOÃO

MUDANÇAS DE PERSPECTIVA
Um certo número de dados que ocupavam um lugar capital nos evangelhos sinópticos são no quarto evangelho como que relegados para o segundo plano ou transformados. É assim que o anúncio do Reino, tema fundamental da pregação de Jesus nos sinópticos, não aparece em João senão uma ou duas vezes: 3:3-5 e também 18:36. Ele é substituído pelo tema da vida, conhecido aliás já dos sinópticos que estabelecem a equivalência entre “entrar no Reino” e “entrar na vida” (Mc.9:43 10:17 Mat.18:3 19:17 Lc.18:29-30). Mas, enquanto neles a vida é sempre um bem puramente escatológico (salvo em raras passagens como Lc.15:32), no quarto evangelho, ao lado de passagens em que a palavra “vida” conserva este sentido, há um grande número de outras em que ela constitui um bem divino possuído desde agora.

Os sinópticos nos oferecem todo um conjunto de ensinamentos morais sobre as condições de entrada ou de existência no Reino: a pureza de intenção, a prece, o jejum, a esmola, a castidade, a fidelidade conjugal, o desapego das riquezas. No quarto evangelho, Jesus fala, sem dúvida, da necessidade de guardar os mandamentos, mas ele não se explicita sobre nenhum ponto particular. Toda a moral de Jesus é relacionada ao mandamento do amor fraterno inculcado com grande instância (13:34-35 15:12 17:17-26). É claro, aliás, que as bases desta poderosa unificação se encontram nos sinópticos.

ESCATOLOGIA
Outra modificação de grande importância: o recuo incontestável no quarto evangelho sob o ângulo escatológico; nenhum trecho apocalíptico do gênero do apocalipse sinótico, nenhuma menção da vinda do Filho do Homem sobre as nuvens, nenhuma descrição das côrtes do juizo final. A manifestação da glória de Jesus (1:14 2:11 11:4,40) , a salvação (5:24,27), o julgamento (3:18,19) são parcialmente atualizadas. Contudo, o aspecto escatológico da mensagem cristã não é rejeitado, e nada nos permite considerar como adições adventícias ao texto primitivo as passagens sobre a ressurreição corporal do fim dos tempos (5:28-30 6:39,40,44,54). É que a mística de João não é absolutamente uma mística intemporal; ao modo dos profetas e diversamente dos gregos, João conhece um progresso dos tempos, progresso que, como nos sinópticos, é ligado à pessoa de Jesus. Apenas, muito mais do que seus antecessores, ele acentua esta idéia de que no Cristo já se encontra o cume ou o fim da história do mundo. Pela morte de Jesus, o mundo é vencido e o príncipe deste mundo banido (12:31 16:33); eis porque esta morte é a “consumação” escatológica (19:30).

A CRISTOLOGIA
Nos sinópticos como se disse acima, o anúncio do Reino ocupa um lugar considerável; ligado ao Reino de Deus, a pessoa de Jesus não é esquecida (Mt.11:26-30), mas não tem tanto lugar na pregação; um segredo até a envolve, e Cristo proíbe aos demônios (Mc.1:24) e também aos discípulos (Mc.8:30) de desvendarem sua identidade. Em João, ao contrário, é a revelação da personalidade divina do Salvador que aparece por toda a parte em primeiro plano; aqui nada de parábolas do Reino, mas duas parábolas-alegorias (o bom pastor e a vinha) relativas a esta revelação. O argumento principal do quarto evangelho, que será exposto, na síntese doutrinal, é , com efeito, este: que o Filho de Deus encarnado foi enviado pelo Pai aos homens para lhes revelar e lhes comunicar as riquezas misteriosas da vida divina.

É na igreja que estas riquezas lhes serão ofertadas. Na mesma medida em que o evangelho é cristológico ele é também eclesial. O ministério público de Jesus, com sua pregação e seus milagres, é apresentado como uma antecipação da vida da igreja, que santificará as almas pela palavra. Por sua vez, a existência da igreja é contemplada como uma antecipação da parusia.

A despeito desta importante mudança de perspectiva, o Cristo do quarto evangelho não é essencialmente diferente do Cristo dos sinópticos. Certamente, João sublinha a divindade de Cristo muito mais vigorosamente do que seus precursores; mas também entre eles é por toda a parte insinuada, a tal ponto que os sinópticos ficam ininteligíveis sem esta crença. O título enigmático de Filho do Homem, verdadeiramente próprio de Jesus e que não foi divulgado pela pregação cristã ulterior, é comum nos sinópticos e em João. Somente que João insiste mais sobre a transcendência e a preexistência do Filho do Homem; tende além disso a atenuar a distância entre seu estado terrestre e sua condição gloriosa: a paixão é mantida, mas , compreendida como o começo da glorificação, não apresenta mais aqui o caráter de humilhação sublinhado nos sinópticos.

CONCLUSÃO
Mateus apresentou Jesus como o Rei que, em princípio, era dos judeus, mas estes o rejeitaram. Marcos mostrou o Jesus Servo, em toda a humildade. Lucas o apresenta como homem. Cada um desses ângulos é de fundamental importância para entendermos a revelação de Deus em Cristo. Entretanto, João ultrapassou todas essas facetas messiânicas. Ele proclamou, acima de tudo, a divindade de Cristo. Jesus é apresentado no quarto evangelho como Filho de Deus. Tal título vai além de Filho de Davi ou Filho do Homem. Cada um desses nomes apresenta uma verdade acerca do Senhor e pode também significar pontos de vista que se possa ter sobre sua pessoa. Porém, nenhuma idéia a seu respeito será completa até que ele seja reconhecido como Deus e como Senhor. Quem chega a esse ponto, alcançou o objetivo dos evangelhos, que é apresentar o Pai através do Filho.

TEOLOGIA DAS EPÍSTOLAS

ROMANOS
- A justiça de Deus
- Pecado
- A morte de Cristo 
- A justificação pela fé

I CORÍNTIOS
- Igreja
- Dons espirituais
- Ressurreição

GÁLATAS
- Graça x Lei 
- A Liberdade cristã
- Obras da carne x Fruto do Espírito

EFÉSIOS
- A unidade e espiritualidade da igreja

FILIPENSES
- A relação do cristão com as tribulaçõe

COLOSSENSES
- Suficiência de Cristo

I TESSALONICENSES
- A Volta de Cristo e o Arrebatamento da Igreja

II TESSALONICENSES
- A Volta de Cristo e o Anticristo

I TIMÓTEO
- Requisitos para presbíteros e diáconos

HEBREUS
- A superioridade de Cristo

TIAGO
- Vida cristã prática

EPÍSTOLAS DE JOÃO
- O amor

INTRODUÇÃO
Em Cristo, a revelação divina teve seu apogeu. A partir da sua ascensão, iniciou-se o período da Igreja. Esse novo tempo desenrolar-se-ia com base nos ensinamentos de Cristo. Entretanto, nem tudo o que ele ensinou foi escrito e nem tudo o seria necessário foi ensinado porque as circunstâncias do momento não o exigiam. Nessa lacuna entra o ministério dos mestres do Novo Testamento, iluminados e inspirados pelo Espírito Santo. Assim surgiu a teologia das epístolas, que procuraremos, brevemente, expor. Serão abordados apenas alguns tópicos, entre os mais relevantes. Algumas epístolas não serão citadas por tratarem de temas que não são, a rigor, teológicos, ou por mencionarem questões já citadas em outras cartas.

ROMANOS
A justiça de Deus
A graça apresentada através de Cristo poderia ser interpretada por alguns como liberação geral em relação às exigências divinas. Entretanto, contra essa idéia estão as considerações paulinas acerca da justiça divina. O amor de Deus não invalida sua justiça nem a diminui.
É interessante a seguinte questão. Sendo Deus onipotente, porque ele não poderia salvar a humanidade sem que Cristo morresse ? Porque ele simplesmente não decretou o perdão dos pecadores pela autoridade da sua palavra ? A resposta a essa questão é a justiça de Deus. Segundo esse princípio, o pecado não pode ficar impune. Alguém teria que pagar a pena. Aí entrou a obra de Cristo na cruz.

O Pecado
O Velho testamento não entrou muito fundo na questão do pecado. Dentro daquele contexto, o pecado era a transgressão da lei. Em Romanos, porém, temos uma exposição profunda acerca do pecado. Paulo apresenta a origem do pecado em Adão. O pecado é apresentado como um princípio transgressor que rege as ações malignas do ser humano. Essas ações denominam-se pecados, que são manifestações daquele princípio.

A morte de Cristo
Paulo não só fala a respeito do pecado, como também mostra o antídoto. A morte de Cristo é apresentada como a solução divina para o problema do pecado humano. Tal solução é abordada até seu alcance mais profundo : “O pecado não terá domínio sobre vós.” A morte de Cristo, segundo a epístola aos Romanos, não foi apenas um ato em nosso favor, mas um fato que nos envolve. Nós morremos juntamente com Cristo, fomos sepultados com ele e também ressuscitamos dentre os mortos. Tal participação na morte de Cristo nos leva a viver em novidade de vida, além de termos sido perdoados por Cristo.

A justificação pela fé
Como podemos nos ver participantes da morte de Cristo e de sua ressurreição ? Como podemos usufruir dos efeitos da cruz ? Através da fé. Em Romanos, Paulo exalta o significado da fé e a coloca como condição essencial para a salvação. As obras da lei são colocadas em segundo plano. Até a experiência de Abraão é evocada como exemplo de imputação de justiça por meio da fé e não das obras.

I CORÍNTIOS
A Igreja
A Igreja é citada a primeira vez por Jesus em Mateus 16. Em Atos, temos o relato histórico dos primeiros dias da igreja. Em Coríntios temos o início do que conhecemos como base doutrinária da igreja. Em resposta a questionamentos dos coríntios, Paulo lhes escreve para admoestar e ensinar. Nessa epístola, Paulo toca em diversas questões sobre o a igreja e o culto cristão.

Dons espirituais
Um dos assuntos que mais se destacam em I Coríntios é a questão dos dons espirituais. Sem esses ensinamentos de Paulo, estaríamos ignorantes acerca dos dons, o que, aliás, é o que Paulo quis evitar. Na teologia do Velho Testamento, vimos que Deus falava através dos profetas. Na teologia das epístolas, vemos que Deus fala através dos seus diversos ministros e também através de dons espirituais. Notamos porém, que, no Velho Testamento, Deus ia revelando-se através dos profetas. Hoje, as profecias e outros dons não se destinam a revelar Deus ao homem. Tal revelação atingiu seu ápice em Cristo. Os dons hoje destinam-se a edificar, consolar e exortar, trabalhando com o conhecimento de Deus que já foi revelado anteriormente.

Ressurreição
O capítulo 15 de I Coríntios é a maior fonte sobre ressurreição. É bom lembrarmos que a ressurreição de Cristo é o “cartão de visita” do cristianismo. Existem muitas religiões no mundo, muitos profetas e líderes. Entretanto, nenhum deles ressuscitou, a não ser Cristo. Este é o selo de autenticidade do cristianismo, diante do qual, todas as outras religiões caem por terra. Observemos que a ressurreição era o tema principal da pregação dos apóstolos em Atos. Sabemos que a morte de Cristo é a solução para nosso estado pecaminoso. Porém, se ele não ressuscitasse, sua morte não teria nenhum valor. Paulo disse : Se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé e ainda permaneceis em vossos pecados.

GÁLATAS
Graça x Lei
Em Gálatas, Paulo toca na ferida da época. Os tempos do Novo Testamento foram de transição entre o judaísmo e o cristianismo. Tal transcurso não foi indolor nem suave. Pelo contrário, foi difícil e traumático. Os judeus perseguiam os cristãos em geral. Por outro lado, muitos judeus-cristãos queriam impor aos cristãos gentios a prática da lei mosaica. Na epístola em questão, Paulo não usa de meias palavras. Ele declara que “aqueles que querem se justificar por meio da lei, da graça têm caído”. Além disso, os gálatas deveriam se manter na liberdade alcançada por meio de Cristo. A lei representava escravidão. A graça representava libertação. Nessa exposição, Paulo usa como alegorias as personagens do Pentateuco: Sara e Hagar.

A Liberdade cristã
A liberdade é um dos maiores anseios humanos. Ela é também um grande risco quando mal interpretada e mal utilizada. Torna-se, portanto, imperioso que saibamos o significado da liberdade para a qual Cristo nos libertou. Em tempo, Paulo advertiu aos Gálatas que não usassem da liberdade para dar ocasião à carne, porque, tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Estando livres da lei mosaica, não estamos livres do princípio que deve reger nossa vida : o amor cristão.

Obras da carne x Fruto do Espírito
Em tom de advertência Paulo mostra que a liberdade é um ambiente onde podem ser cultivados bons ou maus propósitos. Tudo depende do princípio que rege nossas atitudes. Em Gálatas 5, temos a discriminação das obras da carne e do fruto do Espírito. Esse texto nos leva a refletir sobre o sentido do cristianismo. Muitos pensam que, depois de levantarem a mão aceitando a Cristo, tudo está resolvido, e só precisam esperar que a porta dos céus lhes seja aberta. Não obstante, Paulo chama nossa atenção para a vida prática. O cristianismo deve ser demonstrado em nossa maneira de viver. Paulo fala acerca do “andar em Espírito”. Este é o modo de vida comprometido com os princípios cristãos e movido pela presença do Espírito Santo em nós, mediante voluntária submissão à sua vontade.

EFÉSIOS
A unidade e espiritualidade da igreja
A epístola aos Efésios não trata de questões cotidianas de uma igreja específica. Paulo atinge o ápice da espiritualidade de seus escritos nessa carta (sem querer desvalorizar as demais). Em Efésios temos a descrição da igreja ideal : sem divisões; posicionada e ativa nas regiões celestiais; subjugando as hostes malignas, provendo-se da armadura de Deus e cheia do Espírito Santo, falando através de salmos, hinos e cânticos espirituais.

FILIPENSES
A relação do cristão com as tribulações
No Novo Testamento temos alguns ensinamentos subliminares que, na prática, são importantíssimos. Um deles é que o cristão passaria por tribulações neste mundo. Essa é uma promessa cujo cumprimento ninguém vindica. Entre outras coisas, a carta aos Filipenses fala sobre tribulações, tendo por base as de Paulo. Ele ensina sobre a superação da tribulação e o regozijo permanente fundamentado na oração e nos pensamentos justos e retos.

COLOSSENSES
Suficiência de Cristo
Os colossenses estavam em situação similar aos gálatas. Em Colossos estavam em destaque as questões filosóficas, o ascetismo e o culto aos anjos. Tudo isso era usado como pretexto para dominações humanas sobre a igreja. Paulo chama a atenção para a divindade de Cristo, sua obra na cruz, e as riquezas que temos nele. Desse modo, Paulo ridiculariza todos aqueles falsos mestres que se manifestavam entre os colossenses. Cristo é apresentado como divino, supremo e suficiente. E “se já ressuscitastes com Cristo”, não precisais de rudimentos mundanos nem práticas ascéticas para completar a vida cristã.

I TESSALONICENSES
A Volta de Cristo e o Arrebatamento da Igreja
A principal esperança do cristianismo é a volta de Cristo para buscar sua igreja. Paulo ensina aos tessalonicenses acerca da “parusia”, deixando evidente que ele mesmo esperava estar vivo para o arrebatamento. Tal ensinamento enfatiza a necessidade de uma vida condizente com a expectativa da segunda vinda. Quem espera Cristo deve estar preparado para recebê-lo. Outro aspecto importante nessa carta é a questão da ressurreição dos que dormem em Cristo. Aparentemente, tal observação teve por objetivo consolar alguns irmãos que haviam perdido seus entes queridos.

II TESSALONICENSES
A Volta de Cristo e o Anticristo
Ao que tudo indica, a primeira epístola gerou algumas dúvidas acerca da volta de Cristo. Os tessalonicenses achavam que Cristo poderia voltar a qualquer momento. Paulo os ensina que o Senhor não virá sem que antes aconteça a apostasia e a manifestação do Anticristo. Nessa epístola, temos um pequeno mas rico e misterioso acervo escatológico.

I TIMÓTEO
Requisitos para presbíteros e diáconos
Entre diversas prescrições de Paulo a seu discípulo Timóteo, é bom ressaltarmos os requisitos determinados para os presbíteros e diáconos. Se todo cristão deve ter uma vida exemplar, o líder deve ser irrepreensível. Tal exigência deve ser observada a fim de dificultar a proliferação dos falsos mestres no meio do povo de Deus. (Evidentemente, não podemos nos esquecer de que o verdadeiro servo de Deus pode cair até mesmo em faltas graves. Entretanto, espera-se essas sejam situações de exceção e, nesses casos, o tratamento deve ser severo, não se negando, porém, o perdão necessário.)

HEBREUS
A superioridade de Cristo
Essa epístola foi escrita para judeus-cristãos. Tem um tom muito severo, semelhante ao estilo mosaico. Seu objetivo é, porém, demostrar a divindade de Cristo e que nele os ideais judaicos tinham sido plenamente personificados. Nesse propósito, o autor se ocupa principalmente com a apresentação do sacerdócio de Cristo e o significado de seu sacrifício. Ele é apresentado como sumo-sacerdote de uma ordem superior : a de Melquisedeque. Cristo é o sacrifício supremo e seu sangue é absolutamente santo. Assim, aqueles que o desprezam e o pisam são chamados de adversários e sobre eles pesa o castigo de cair nas mãos do Deus vivo que é fogo consumidor.

TIAGO
Vida cristã prática
A epístola universal de Tiago aborda o cristianismo de modo prático como nenhum outro texto bíblico. A fé não é desprezada, mas seu valor é condicionado à sua demonstração prática. Tiago mostra que até os demônios têm fé. Entretanto, o cristão deve ter fé e agir de acordo com a mesma. Nisso se manifesta a verdadeira sabedoria. O sábio, segundo Tiago, é aquele que age de modo conveniente no trato com o seu próximo, não fazendo acepção por riquezas mas atendendo os necessitados, principalmente os órfãos e as viúvas.

EPÍSTOLAS DE JOÃO
O amor
João foi o “discípulo amado”. Ele era o mais chegado ao Mestre. Ninguém melhor do que ele para falar sobre o amor. E é interessante que ele fala de amor de forma amorosa. De fato, não poderia ser diferente, embora vejamos acontecer diferente em nossos dias. João apresenta, na primeira epístola, o amor como sendo a essência de Deus e o requisito imprescindível na vida do cristão. É de João uma das mais belas declarações teológicas : “Deus é amor”. Em contraposição a este amor, João menciona o mundo, suas concupiscências e as ações de Satanás. O amor é fundamental, mas João adverte : “Não ameis o mundo nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.

CONCLUSÃO
Fazendo um paralelo, observamos que a Teologia do Velho Testamento apresenta Deus em sua divina personalidade individual : Deus transcendente. A Teologia dos Evangelhos apresenta Deus se vinculando à natureza humana através da encarnação : Deus presente. A Teologia das epístolas nos apresenta Deus em união com o homem através do significado da obra de Cristo e da presença do Espírito Santo : Deus “envolvente”. Paulo diz que estamos em Cristo e que Cristo vive em nós. Enquanto que a encarnação de Cristo foi o ápice da revelação teológica, nossa união com ele é o ápice terreno de toda “experiência teológica”.

Templo Sede

Templo Sede
Avenida Independência, 1999, Centro, Palmeira das Missões

Congregação Bairro Mutirão

Congregação Bairro Mutirão
Avenida José Firmino Vilande, 274, Bairro Mutirão, Palmeira das Missões

Congregação de Santo Augusto

Congregação de Santo Augusto
Rua Nonô Prates, 43, Bairro Santa Fé, Santo Augusto

Congregação de São Valério do Sul

Congregação de São Valério do Sul
Avenida Ery Lucas, 420, Centro, São Valério do Sul

Congregação de Boa Vista das Missões

Congregação de Boa Vista das Missões
Rua Fortaleza, 260, centro de Boa Vista das Missões

Congregação Frederico Westphalen

Congregação Frederico Westphalen
Rua 137, sn, Bairro Distrito Industrial, Frederico Westphalen, RS

DIRETORIA DO CAMPO DE PALMEIRA DAS MISSÕES - ANO 2017

CAMPO DE PALMEIRA DAS MISSÕES - DIRETORIA

PRESIDÊNCIA
Pastor
JOÃO AMILTON DE ANUNCIAÇÃO.

VICE-PRESIDÊNCIA
Primeiro Vice-Presidente, Pastor ADEMIR ROSA DOS SANTOS;
Segundo Vice-Presidente, Pastor JORGE MOREIRA.

SECRETARIA
Primeira Secretária, Diaconisa LUMA OLIVEIRA DA ROCHA TEIXEIRA;
Segundo Secretário, Diácono MATHEUS TEIXEIRA.

TESOURARIA
Primeira Tesoureira, Missionária
ROSIMARI OLIVEIRA DA ROCHA;
Segunda Tesoureira, Missionária
MÁRCIA REGINA DOS SANTOS TEIXEIRA.

CONSELHEIROS FISCAIS
Pastora MARTHA VALÉRIA LOPES CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO;
Evangelista ALISSON DOS SANTOS;
Diácono PAULO ROBERTO DA SILVA MEDEIROS.


CONGREGAÇÕES - PASTORES DIRIGENTES
PALMEIRA DAS MISSÕES - BAIRRO MUTIRÃO
Pastor ADEMIR ROSA DOS SANTOS.

CONGREGAÇÃO DE SANTO AUGUSTO
Pastor JORGE MOREIRA.

CONGREGAÇÃO SÃO VALÉRIO DO SUL
Evangelista JACOB VANDERLEI PORTOLAN.

CONGREGAÇÃO DE BOA VISTA DAS MISSÕES
Evangelista SEBASTIÃO IBANÊZ AIRES DA SILVA

CONGREGAÇÃO FREDERICO WESTPHLEN
Pastor em Ofício Presbítero PAULO RENATO PRESTES


CÍRCULO DE ORAÇÃO - OBREIRAS DIRIGENTES
PALMEIRA DAS MISSÕES - SEDE
Dirigente, Missionária MÁRCIA REGINA DOS SANTOS TEIXEIRA;
Missionária ROSIMARI OLIVEIRA DA ROCHA;
Diaconisa HELGA SCHOKAL LENCINA;
Diaconisa CLEUSA DE OLIVEIRA DE MEDEIROS.

CONGREGAÇÃO BAIRRO MUTIRÃO
Dirigente, Diaconisa CRISTINA FERGUTZ DO AMARAL;
Auxiliar, Cooperadora MÁRCIA MENEGAZZO DO AMARAL.

CONGREGAÇÃO SANTO AUGUSTO
Dirigente, Missionária CECÍLIA TEREZINHA DO AMARAL MOREIRA;
Diaconisa EVA DE ALMEIDA JONES.

CONGREGAÇÃO SÃO VALÉRIO DO SUL
Missionária ÂNGELA ROSANE PORTOLAN;
Diaconisa DELOCI DE FÁTIMA DOS SANTOS PEDROSO.

CONGREGAÇÃO BOA VISTA DAS MISSÕES
Dirigente, Diaconisa ADRIANA CAMPANOGARO DA SILVA.

CONGREGAÇÃO FREDERICO WESTPHALEN
Dirigente, Diaconisa MARINES BRIZOLLA PRESTES.

RELAÇÃO DE OBREIROS - 2017

RELAÇÃO DOS OBREIROS DO CAMPO - 2017

Relação dos Obreiros e Obreiras para o ano de 2017, da Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Palmeira das Missões Ministério de Madureira, sito na Avenida Independência, 1999, centro da cidade de Palmeira das Missões, CAMPO DE PALMEIRA DAS MISSÕES, conforme a seguir relacionados:­


001 - PALMEIRA DAS MISSÕES – SEDE:

Pastor Presidente JOÃO AMILTON DE ANUNCIAÇÃO,

Pastora MARTHA VALÉRIA LOPES CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO,

Evangelista ALISSON DOS SANTOS,

Missionária ROSIMARI OLIVEIRA DA ROCHA,

Missionária MÁRCIA REGINA DOS SANTOS TEIXEIRA,

Presbítero ABEL MARTINS MATTOS,

Presbítero MOISÉS MENDES BATALHA,

Diácono PAULO ROBERTO DA SILVA MEDEIROS,

Diácono GUSTAVO CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO,

Diácono MATHEUS TEIXEIRA,

Diácono JOEL DA SILVA OLIVEIRA

Diaconisa DAIR VITÓRIA TEIXEIRA,

Diaconisa LUMA OLIVEIRA DA ROCHA TEIXEIRA,

Diaconisa HELGA SCHOKAL LENCINA,

Diaconisa TATIANE OLIVEIRA DOS SANTOS,

Diaconisa ODILA STEPHANINI BATALHA,

Diaconisa CLEUSA DE OLIVEIRA MEDEIROS,

Diaconisa OLINTA ROZANI NIEDERAUER GUTLER,

Diaconisa NADINE OLIVEIRA DA ROCHA,

Cooperador GUILHERME CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO,

Cooperador GABRIEL CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO,

Cooperador MURILO OLIVEIRA DA ROCHA,

Cooperadora MÁRCIA ADRIANA PERUSATO DA SILVA,

Cooperadora BÁRBARA CATARINA CREDA FRANCO,

Cooperadora ELCY MULLER FRANCO,

Cooperadora MARLI CREDA FRANCO.


002 - PALMEIRA DAS MISSÕES – BAIRRO MUTIRÃO:

Pastor ADEMIR ROSA DOS SANTOS,

Missionária ELISÂNGELA DO NASCIMENTO DOS SANTOS,

Presbítero EVANDRO DA SILVA AMARAL,

Diaconisa CRISTINA FERGUTZ DO AMARAL,

Cooperadora MARCIA MENEGAZZO DO AMARAL.


003 - SANTO AUGUSTO - CONGREGAÇÃO

Pastor JORGE MOREIRA,

Missionária CECÍLIA TERESINHA DO AMARAL MOREIRA,

Evangelista FÁBIO ROMERO DA SILVA,

Evangelista GILMAR KOWALSKI,

Presbítero VILSON PICCO,

Diácono PAULO JUAREZ DA SILVA MENDES JUNIOR,

Diácono MENDES MARTINS COIMBRA,

Diácono VIVALDO ANDRÉ DAMIÃO,

Diaconisa MARISA CRISTINA MOREIRA DA SILVA,

Diaconisa EVA ALMEIDA JONES,

Diaconisa ROSEMARI CAMARGO PICCO,

Diaconisa NEUZA ROSANE CAVALHEIRO,

Diaconisa TEREZINHA KOWALSKI,

Cooperador IZAIAS RODRIGUES JONES,

Cooperador GERSON DOMINGOS ALBINO MANOEL.


004 - SÃO VALÉRIO DO SUL - CONGREGAÇÃO

Evangelista JACOB VANDERLEI PORTOLAN,

Missionária ÂNGELA ROSANE PORTOLAN,

Presbítero EVANDRO PEDROSO,

Diaconisa DELOCI DE FÁTIMA DOS SANTOS PEDROSO.


005- BOA VISTA DAS MISSÕES - CONGREGAÇÃO

Evangelista SEBASTIÃO IBANÊZ AIRES DA SILVA,

Diaconisa ADRIANA CAMPANOGARO AIRES DA SILVA.


006 - FREDERICO WESTPHALEN - CONGREGAÇÃO

Presbítero PAULO RENATO PRESTES,

Diaconisa MARINÊS DA SILVA BRIZOLLA,

Diaconisa EDINARA BRIZOLLA PAES.

Pórtico de Palmeira das Missões

Pórtico de Palmeira das Missões